Público é observador e observado em mostra de arte digital

- Atualizado às 21:26
Exposição é uma reflexão sobre quanto abrimos mão da privacidade em temops de internet
Exposição é uma reflexão sobre quanto abrimos mão da privacidade em temops de internet (Foto: Divulgação)

Uma exposição de arte digital em que o observador é também observado. Assim é Para Continuar Navegando, dos artistas Fabiana Caldart e Felipe Gomes, em cartaz no Portão Cultural até 31 de março.

Planejado para ser uma reflexão sobre a forma como as pessoas usam os recursos tecnológicos do mundo virtual, o projeto se tornou ainda mais atual no contexto da pandemia do novo coronavírus, quando elas se valem da tecnologia para interagir com o mundo das mais variadas formas.

Para Continuar Navegando consiste nas instalações Li e Concordo, Não Li e Concordo e um vídeo publicitário que faz pensar sobre como as pessoas avaliam a relevância dos conteúdos a que estão expostas por intermédio desses recursos tecnológicos. Projetor, microcomputador Raspberry Pi com Tensorflow em Python, luzes infravermelhas e câmeras são os recursos utilizados, além de vídeos editados a partir de imagens gratuitas sob creative commons e textos baseados em peças publicitárias de super aplicativos ajudam a criar a percepção.

O título da mostra tem duplo sentido. Ao mesmo tempo em que remete à assinatura digital dos termos de aceite exigidos no mundo virtual, muitas vezes assinados sem a leitura prévia, refere-se à forma como o público entra no espaço da mostra. Sem se dar conta, ele aceita fazer parte da exposição quando está chegando ao museu e tem sua imagem registrada por uma câmera. A armadilha sutil é percebida somente quando se vê no telão da Sala de Arte Digital do Museu Municipal de Arte (MuMA).

“É uma reflexão sobre o quanto abrimos mão da privacidade, nos expomos e sujeitamos a esse tipo de vigilância. Mais do que nunca, na pandemia, temos nossas ações intermediadas por algum dispositivo até para comer”, resume a curitibana Fabiana, que tem formação em Artes Visuais e também trabalha com fotografia. Em 2017, no Paço da Liberdade, participou da mostra coletiva Em Caso de Soluço. De Foz do Iguaçu, Felipe Gomes traz para a mostra referências da sua formação em Arquitetura e do interesse pela área de Sociedade e Tecnologia.

Covid: precauções na entrada

A mostra é a primeira atração do MuMa depois da reabertura do espaço, este ano, de acordo com as novas condições sanitárias decorrentes da epidemia da covid-19. Para entrear no local, é necessário chegar usando máscara adequadamente colocada no rosto, passar pela verificação da temperatura corporal e higienizar as mãos com álcool em gel. O produto está disponível na portaria do andar térreo do MuMA, na Avenida República Argentina. Na entrada, um funcionário distribuirá senhas e explicará ao público as novas regras de circulação.

São admitidos somente 35 visitantes ao mesmo tempo. Do térreo, onde estarão abertos os banheiros, o público poderá subir pela escada até o 1º andar para a visitação. Apenas pessoas com necessidades especiais podem usar o elevador. Os visitantes também não poderão retornar ao ponto de chegada. O objetivo do protocolo que estará em vigor no centro cultural é organizar o fluxo de visitantes.

Serviço:
Exposição Para Continuar Navegando
Período: até 31/3
Horário: de terça a domingo, das 10h às 19h
Local: Sala de exposições de Arte Digital (República Argentina, 3.432, junto ao terminal de ônibus do Portão)

Comentários

© 2018 Barulho Curitiba