Professora de redação dá as dicas para você se dar bem na prova do Enem

- Atualizado às 17:49
Por - Redação Bem Paraná
(Foto: Divulgação)

Feriado de Finados. Dias de descanso para alguns, reta final de preparação para outros. É que neste domingo (04 de novembro) 5,5 milhões de estudantes de todo o país farão o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), uma importante porta de entrada para o ensino superior.

Neste primeiro dia de exame, as provas aplicadas serão de Linguagens, Códigos e suas Tecnologias, Ciências Humanas e suas Tecnologias e a redação. São 45 questões para cada prova objetiva e na redação é preciso escrever pelo menos sete linhas e no máximo 30. A duração é de 5h30min.

De acordo com a professora Bruna Pigatto, da Escola SEB Dom Bosco, a prova de redação costuma ser o grande “calcanhar de Aquiles”, o grande diferencial entre o sucesso e o fracasso para os estudantes.

“A redação tem um peso muito grande na nota, algo entre 20 e 40%. Então vale muito e é difícil, porque muitos alunos t
êm dificuldade em escrever. E é uma parte da prova que não tem como fugir ou contar com a sorte. Questões objetivas você pode chutar, mas na redação precisa mostrar que sabe escrever, que te conteúdo para colocar no texto”, aponta a professora.

Ainda segundo Bruna, essa grande dificuldade por parte dos estudantes decorre de vários fatores, que vão desde a forma como as próprias escolas trabalham a prática da escrita até a ausência do hábito de leitura entre os brasileiros. O grande problema, ainda de acordo com ela, é que a dificuldade dos estudantes está justamente m conseguir expor um raciocínio lógico.

A gente percebe que aquelas questões de regra, acentuação, uso de crase, concordância, ortografia, é tudo recorrente. Mas a maior dificuldade é expor um raciocínio lógico através da escrita. Frases, pontuação, a ideia de que há um pensamento claro. Talvez (o aluno) não conseguisse se expressar nem falando, e na escrita fica ainda mais difícil.”

Para ajudar os estudantes, a professora passou ao Bem Paraná uma série de dicas que podem te ajudar a conseguir um melhor desempenho na prova de redação deste domingo. Confira

A professora Bruna Pigatto, da Escola SEB Dom Bosco



O QUE UMA BOA REDAÇÃO DO ENEM DEVE CONTER OBRIGATORIAMENTE

Pelo histórico das provas do Enem o tem está relacionado á análise de uma parcela da população que é excluída. Intolerância religiosa e racial, população surda, tudo isso já foi tema em anos anteriores. Então se olharmos para esse padrão, esse ano também vai falar sobre uma parcela da população que sofre algum tipo de exclusão. E falta ainda falar das questões socioeconômicas, como a desigualdade social. Então o tema é um problema social, sempre, mas uma questão humana. O Enem já falou, mas agora não falaria de questões ambientais sem relacionar isso ao que afeta a vida das pessoas. Eles pegam temas sociais do Brasil e trabalham a ideia da intolerância e exclusão. Então é legal pensar nesses temas.

Disserta
ção argumentativa tem duas coisas a serem feitas: primeiro o autor deve pensar num leitor que não tem informações sobre o problema. Então ele deve explicar, expor o problema, e ele deve ter uma ideia, uma tese própria sobre esse problema. Ele olha para o problema e pergunta: por que isso está acontecendo e o que fazer para mudar esse quadro? E quando expõe isso logo no início, está anunciando o que vai desenvolver ao longo da redação.

TEMAS PROVÁVEIS

Apostamos em temas que envolvam problemas sociais, exclusão. O Inep, que é o órgão responsável pelo Enem, tem postado nas redes sociais comentários e informações que mostram variações linguísticas. Desde junho postam frases com sotaque, gírias de determinadas regiões. Fizeram uma postagem para cada estado, usando palavras de cada região. Então existe a leitura de que o tema (da prova) pode estar relacionado ao preconceito linguístico, que são as pessoas que sofrem discriminação pela forma como se comunicam. Então é um tema que está bem dentro do que o Enem tem cobrado, estando inclusive relacionado à condição socioeconômica, porque se sofre preconceito linguístico, por trás disso provavelmente existe uma condição de pobreza. Outras questões que podem aparecer é o acesso à água, saneamento básico, aumento da mortalidade infantil, algo que ocorreu recentemente pela primeira vez em 26 anos. Outro tema é a redução do índice de pessoas que se vacinaram, de todas as vacinas, por conta das fake news, dos rumores de que vacina faz mal. Se o tema for mortalidade infantil, inclusive, pode colocar esse como um dos fatores, as pessoas não se vacinarem. São algumas das apostas.

 

O QUE FAZER EM TÃO POUCO TEMPO PARA SE PREPARAR MELHOR?

A prova de redação do Enem, em especial, tem todas as competências e critérios explícitos. Então é legal ler isso, a cartilha, o manuel de redação. São cinco ão cinco competências que o aluno precisa empregar, cada um valendo 20% da nota. Essa cartilha explica o que será avaliado, traz exemplos de redações nota mil… Então é estudar esses critérios, ler redações exemplares, para saber o que ele precisa. Praticar tinha que ter feito um pouco durante o ano e agora nesse período de véspera, bastante.

PODE USAR AS INFORMAÇÕES QUE CONSTAM NOS TEXTOS DE APOIO?

A prova de redação vem com textos chamados de textos motivadores. Chamamos isso de coletânea também. É dado ao aluno uma frase, que é o tema da redação. Então tem essa frase e esses textos motivadores são recortes temáticos. A abordagem dos textos mostram para os aluns os limites da discussão. E aí vem a dúvida. Mas pode e deve usar as informações e os dados que eles disponibilizam. O que é proibido é transcrever, copiar. E também não pode ficar preso só ao que está na coletânea. Aproveita para dar limite à discussão, mas tem de incluir um repertório sociocultural próprio. Pode usar as informações, mas para atingir a nota máxima precisa de repertório próprio.

Comentários

© 2018 Barulho Curitiba