Pesquisa mostra que um terço dos jovens tem medo de falar em público. Veja dicas para sair dessa

- Atualizado às 20:45
Por - Redação Barulho Curitiba
(Foto: Divulgação)

Desde os primórdios dos tempos, a comunicação sempre foi essencial ao ser humano. Na idade da pedra lascada, os hominídeos utilizavam gritos, gestos, símbolos e sinais para transmitir um recado. Com a evolução, o ato se lapidou e, hoje, 55% da mensagem é passada por meio da linguagem corporal, 38% pela voz e 7% por palavras. No mercado de trabalho, estabelecer um diálogo claro e objetivo é ponto fundamental. A habilidade é uma das competências mais almejadas pelos recrutadores e entra no hall das soft skills, ou seja, aptidões mentais, emocionais e sociais. Para entender o domínio dos jovens sobre o assunto, o Nube - Núcleo Brasileiro de Estágios realizou o seguinte estudo: “Você tem medo de falar em público?”.


Ao todo, foram 50.212 participantes de todo o Brasil, com faixa etária entre 15 e 28 anos. O resultado apontou ainda ser um desafio difícil para muitos indivíduos: 30,34% dos pesquisados se mostraram inseguros com o tema. Desses, 20,04%, ou 10.060 votantes, disseram: “depende: quando conheço as pessoas eu falo bem”. Para Rafaela Gonçalves, coordenadora de treinamento do Nube, com uma plateia desconhecida, se torna necessário preparar-se mais e criar uma forma de conhecê-la. “Por exemplo: ao visitar uma organização, fazer uma leitura sobre a empresa (ramo, filiais, valores) pode auxiliar a alinhar o discurso e evitar gafes”, explica. Contudo, mesmo na zona de conforto, se planejar é essencial.


Ainda de acordo com quem tem dificuldades de se expressar, 6,34% (3.183) revelaram: “sim! Fico muito impaciente e sempre esqueço de tudo” e 3,60% (1.810) afirmaram: sim, odeio me expor e sou muito tímido(a)”. Para esses, existem exercícios de autoconhecimento e relaxamento capazes de ajudar no equilíbrio emocional. “Ansiedade é comum e faz parte do processo fisiológico. Afinal, nosso cérebro dispara um turbilhão de informações para o sistema nervoso reagir por meio do corpo”, analisa a especialista. Logo, para ela, superar esse instinto é possível estudando o tema, entendendo e não decorando os argumentos, chegando com antecedência ao local e tendo bom humor para criar um clima leve.


Na contramão, há quem diga se sair bem com o hábito. Assim, 37,61% (18.885) enfatizaram: “não tenho medo, mas preciso estar bem preparado(a)” e 32,41% (16.274) comentaram: “não, falo com tranquilidade”. Manter a calma, de fato, favorece o entendimento dos ouvintes e também agrega valor ao discurso. Por isso, quanto maior o autocontrole, melhor será o resultado. De acordo com Rafaela, a exposição e o julgamento alheio são inerentes a qualquer palestrante. Então, estar prevenido emocionalmente e profissionalmente é fundamental. “Nesse sentido, é válido considerar o interlocutor (idade, perfil, vínculos culturais e sociais); conteúdo (roteiro, tempo, importância do assunto) e postura”, indica.

Fora isso, as dicas são:
- Cuidar da linguagem para evitar erros de pronúncia.
- Distanciar-se de comentários polêmicos e discriminatórios.
- Ser coerente.

Lembre-se: todo processo seletivo e rotina de trabalho em algum momento irão exigir essa característica. “Portanto, quanto mais desenvolto e coeso o profissional for, mais oportunidades de crescimento surgirão”, finaliza a coordenadora.

Comentários

© 2018 Barulho Curitiba