Novo protesto contra cortes na educação acontece nesta quinta em Curitiba. Saiba todos os detalhes

- Atualizado às 18:17
Por - Josianne Ritz
(Foto: Franklin de Freitas)

As ruas do Centro de Curitiba serão novamente tomadas por estudantes, professores e defensores na educação na segunda edição da manifestação contra a corte de verbas nas universidades federais nesta quinta (30). Chamado de #dia30vaisermaior, o evento pretende juntar mais gente que o do dia último dia 15 que, segundo os organizadores, reuniu 20 mil pessoas. No Facebook, o protesto contava até as 17 horas desta quarta (29) com 13 mil confirmações e 35 mil interessados. Os metalúrgicos da Grande Curitiba confirmaram que também vão participar da mobilização na Praça Santos Andrade, junto com professores, estudantes e demais categorias de trabalhadores.  O Fórum Nacional Popular pela Educação, composto por 35 entidades da comunidade educacional brasileira, além de entidades sindicais como a CUT, a CNTE, Confederação Nacional dos Trabalhadores em Estabelecimentos de Ensino (Contee ) e Federação de Sindicatos de Trabalhadores Técnico-administrativos em Instituições de Ensino Superior Públicas do Brasil (Fasubra) também apoiam a manifestação.

A manifestação está marcada oficialmente para as 18 horas na Praça Santos Andrade, mas o esquenta começará antes com confecção de cartazes e o esperado momento no qual a nova faixa de apoio à educação será colocada na frente do prédio da Federal - a faixa foi retirada pelos manifestantes pró-Bolsonaro no último domingo (26).  Haverá oficina de cartazes e faixa em pelo menos dois locais antes do evento: a partir das 16h30 no Pátio da Reitoria da UFPR organizado pelo  Comando de Mobilização da UFPR, e a partir das 15 horas  na frente do Colégio Estadual do Paraná. Os estudantes também organizaram uma coleta de agasalhos para doação. A recolocação da faixa está marcada para as 17 horas. O horário foi definido pela APUFPR-SSind, que representa os docentes da UFPR, em assembleia. Foi a entidade que financiou a faixa retirada pelos manifestantes pró-Bolsonaro. "A mobilização  irá mostrar que faixas e cartazes são apenas uma consequência do poder de mobilização da comunidade acadêmica e de todos aqueles que defendem a universidade pública, e que ataques antidemocráticos não enfraquecem a luta histórica em defesa do conhecimento, da liberdade e da autonomia", diz comunicado da entidade. 

Entenda como os cortes afetaram as instituições no Paraná

O Sindicato dos Metalúrgicos da Grande Curitiba (SMC) mais uma vez vai liderar assembleias em diversas empresas da categoria em Curitiba e Região Metropolitana em apoio à luta dos professores e estudantes (contra o corte de verbas na educação pública). Neste dia, cerca de 20 mil metalúrgicos da Renault, Volkswagen, CNH, Bosch, Volvo, Brafer, Pic da Audi e de outras grandes empresas vão participar da mobilização, engrossando a luta nacional.O movimento está previsto para iniciar ainda nas primeiras horas da manhã e deve se repetir durante todo o dia nas entradas dos turnos de cada empresa. O protestos também é um esquenta para a grande Greve Geral do dia 14 de junho, ato que deve reunir milhões de trabalhadores em todo o Brasil contra a atual proposta de reforma da Previdência, contra os cortes na Educação e pela criação de empregos no Brasil.

“É muito importante somarmos força nessas lutas que impactam a vida de todos. A educação não é apenas sala de aula, é também pesquisa, é desenvolvimento e avanço tecnológico. Sem dinheiro, o Brasil para no tempo, perdendo em todos os setores. Sem essa verba podemos esquecer qualquer tipo de competitividade com os grandes países do mundo. É por isso que lutamos, por um país com educação de qualidade para todos, pois educação é a base de tudo e é ela que vai definir o futuro do nosso país”, destacou Sérgio Butka, presidente do SMC.

Protesto pró-Bolsonaro em Curitiba teve retirada de faixa e agressão a jornalistas

Interior do Paraná - Além de Curitiba, haverá manifestações pela educação em Maringá, Londrina e Foz do Iguaçu, segundo levantamento feito pela União Nacional dos Estudantes. A mesma entidade diz que os protestos acontecerão em 150 cidades de todo o País. 

Cronograma da manifestação em Curitiba e região

a partir 6 horas - manifestações dos metalúrgicos da Renault, Volkswagen, CNH, Bosch, Volvo, Brafer, Pic da Audi

15h - Confecção de cartazes na frente do Colégio Estadual do Paraná

16h30 - Confecção de cartazes no pátio da reitoria da UFPR

17h - Recolocação da faixa de apoio à Educação na frente do prédio da UFPR na Praça Santos Andrade

18h - Início da manifestação na Praça Santos Andrade

Protestos no Paraná

Curitiba - Praça Santos Antrade 18h
Maringá - UEM 17h
Londrina - Calçadão do centro 16h
Foz do Iguaçu - TTU – Terminal de Transporte Urbano de Foz do Iguaçu 15h 

Protestos pelo País

– Rio Branco: Praça da Revolução, centro, a partir das 11h
– Maceió: Praça do Centenário, bairro do Farol, a partir das 13h
– Macapá: Praça da Bandeira, no centro, a partir das 15h
– Manaus: Praça da Saudade, no centro, a partir das 15h
– Salvador: Praça do Campo Grande, próximo ao Teatro Castro Alves, a partir das 10h
– Fortaleza: Praça da Gentilândia, bairro Benfica, às 14h
– Brasília: Museu Nacional da República, a partir das 10h
– Vitória: Teatro da Universidade Federal do Espírito Santo, na Avenida Fernando Ferrari, às 16h30
– Goiânia: Praça Universitária, Setor Leste Universitário, a partir das 15h
– São Luís: Praça Deodoro, centro, a partir das 15h
– Cuiabá: Praça Alencastro, no Centro Norte, às 14h
– Campo Grande: Praça Ary Coelho, no centro, a partir das 15h
– Belo Horizonte: Praça Afonso Arinos, no centro , às 17h
– Belém: Praça da República, no bairro Campina, às 16h
– João Pessoa: Centro de Ciências Humanas, Letras e Artes da Universidade Federal da Paraíba (UFPB), a partir das 15h
– Curitiba: Praça Santos Antrade, no centro, às 18h
– Recife: Rua Aurora, em Santo Amaro, a partir das 15h
– Teresina: Praça da Liberdade, no centro, às 8h
– Rio de Janeiro: Candelária, região central, a partir das 15h
– Natal: Praça Cívica, no bairro Petrópolis, às 15h
– Porto Alegre: Esquina Democrática, no centro histórico, às 18h
– Porto Velho: Universidade Federal de Rondônia (UNIR), no centro, às 16h
– Boa Vista: Centro Cívico, a partir das 16h
– Florianópolis: Praça XV de Novembro, no centro, a partir das 15h.
– São Paulo: Largo da Batata, em Pinheiros, a partir das 17h
– Aracaju: Praça General Valadão, região central, a partir das 15h
– Palmas: Universidade Federal do Tocantins (UFT), às 18h

*levantamento da UNE



Comentários

© 2018 Barulho Curitiba