Mês da Consciência Negra: percurso guiado resgata locais da história da população negra em Curitiba.

- Atualizado às 19:55
Por - Barulho Curitiba
(Foto: Divulgação)

No mês escolhido para se recordar a luta de Zumbi dos Palmares, assassinado por colonizadores brancos em 20 de novembro de 1695 e principal nome da resistência negra a um Brasil escravocrata, o Grupo de Políticas Etnorraciais da Defensoria Pública da União promove uma série de atividades que compões a exposição ‘Os negros durante o holocausto e as insurgências paranaenses’. As atividades terão início com a abertura da Exposição nesta sexta (8) o, às 18 horas, na Biblioteca Pública do Paraná.

 

No sábado (9), o evento ‘Percurso Guiado: Caminhos Insurgentes’ propõe um resgate de locais importantes para a construção das memórias e história da população negra em Curitiba. O percurso terá saída da Praça Zacarias, às 09 horas, e será guiado por Joseli Maria Nunes Mendonça, professora de História da UFPR e coordenadora do Projeto de Pesquisa e Extensão Afrocuritiba, e Thiago Hoshino, ouvidor externo da Defensoria Pública do Paraná.

 

No dia 13 de novembro, às 18 horas, os eventos retornam para a Biblioteca Pública do Paraná, com a mesa ‘África, teu povo se levanta! Insurgência Quilombola no Paraná’, composta pela quilombola, ativista e estudante de Direito da UFPR Isabela da Cruz e Cassius Marcelo Cruz, doutor em ciências sociais e especialista em história africana e afro-brasileira, e atualmente diretor do Colégio Estadual Quilombola, Diogo Ramos.

 

No dia 20, às 18 horas, a pesquisadora e produtora cultural da Sociedade 13 de Maio, Brenda Maria, e a mestranda em História da UDESC e consultora da Comissão da Verdade da Escravidão Negra da OAB-PR, Fernanda Lucas Santiago, comandarão a mesa ‘Sociedade 13 de Maio: mobilização negra e contestação política no pós-abolição, com a mediação de Pamela Beltramin Fabris, doutoranda e mestre em História pela UFPR.

 

No dia 22 de novembro, também às 18 horas, o debate ‘Direito à reparação para a população negra e tráfico negreiro no Paraná’ marcará o encerramento da Exposição, com a participação de Rita Cristina de Oliveira – defensora pública federal e coordenadora do GT de Políticas Etnorraciais da DPU; do advogado Nei Luiz de Freitas, presidente da Comissão da Verdade da Escravidão Negra da OAB-PR; da professora Danielle Pamplona, coordenadora da Clínica de Direitos Humanos da PUC-PR; do presidente do Centro Cultural Humaitá, Adegmar da Silva (Mestre Candieiro); de Marli Teixeira Leite, assessora de Políticas de Igualdade Racial da Prefeitura de Curitiba; de Ana Raggio, assessora da Divisão de Políticas para Igualdade Racial da Secretaria da Justiça, Trabalho e Direitos Humanos do Estado do Paraná; da Dra. Flávia Palazzi, Diretora da Escola Superior da Defensoria Pública do Paraná; e do Defensor Público-Geral do Estado do Paraná, Eduardo Pião Ortiz Abraão.

 

Todos os eventos terão entrada franca e não é preciso se inscrever, mas as vagas são limitadas e obedecerão à ordem de chegada dos participantes. Mais informações podem ser conferidas na página da DPU-Curitiba no Facebook: https://www.facebook.com/dpucuritiba/.

Comentários

© 2018 Barulho Curitiba