Inscrições no programa Primeiro Emprego em Tecnologia superam expectativa. Saiba como funciona

- Atualizado às 18:54
Por - Barulho Curitiba
Na imagem, Marina Giliczynski
Na imagem, Marina Giliczynski (Foto: João Miranda)

Lançado no último dia 15, o Primeiro Emprego em Tecnologia (1º Empregotech), da Prefeitura de Curitiba, superou o número esperado de inscrições. A expectativa era a de que até 1.500 pessoas se cadastrassem para participar da primeira edição do programa, que irá oferecer gratuitamente curso de programação de computadores, mas o número de inscritos chegou a 1.693 – 12,88% a mais.

Com foco na capacitação de pessoas para os empregos do futuro, o 1º Empregotech vai qualificar jovens, de 16 a 22 anos, para atender principalmente as necessidades das empresas de tecnologia, que hoje não conseguem preencher suas vagas por falta de mão de obra qualificada.

“Curitiba tem aproximadamente 6 mil postos de trabalho em aberto na área de tecnologia", diz o presidente da FAS (Fundação de Ação Social), Thiago Ferro.

"Queremos que os melhores alunos do Empregotech possam ser contratados como aprendizes pelas startups e empresas de TI, aprendendo na prática as profissões do futuro”, completa

Ferro destaca que o programa é resultado de um trabalho colaborativo entre a FAS e a  Agência Curitiba, que coordena o Vale do Pinhão, o ecossistema de inovação da capital que procura construir um ciclo de desenvolvimento sustentável na área.

O Empregotech busca inserir os participantes nesse ecossistema, que une as culturas da inovação, do processo social e da empregabilidade. Ele não só capacita os jovens como encaminha os mais bem colocados no curso para empregos em startups e empresas de tecnologia.

Meu emprego do futuro
Inserir-se num mercado com demandas crescentes e futuro promissor foi justamente o que atraiu Marina Giliczynski, 18 anos, ao Empregotech.

“Pesquisei bastante e vi que a tecnologia tá aí, a todo vapor. É insubstituível, não vai embora, é o emprego do futuro”, diz ela.

Marina já estuda Análise de Desenvolvimento de Sistema, do Centro Universitário Unifaespe, e acredita que ambos os cursos vão ajuda-la a se garantir no mercado de trabalho.

Pesquisando na internet, Mariana disse que percebeu que a área de TI oferece bons salários e que tem carência de mão de obra qualificada.

“Acredito que terei facilidade de encontrar um bom emprego”, afirma. “Fiquei sabendo do programa no Facebook, acompanho a página da Prefeitura. Quando vi que teria o programa, já me inscrevi.”

Vontade de aprender  
Também foi navegando pela internet que a venezuelana Beronica Teresa Calderon Portillo, 21 anos, ficou sabendo do programa. Morando há seis meses em Curitiba, ela espera fazer o curso de programação e conseguir um emprego na área.

“Quero aprender muito e trabalhar. Eu preciso trabalhar”, disse a moça que sonha em fazer uma boa economia para trazer a mãe da Venezuela.

Em Curitiba, Beronica mora com a tia e o primo. Segundo ela, a gratuidade do Empregotech facilita a participação de todas as pessoas que querem se qualificar e se preparar para o mercado de trabalho.

Plataforma
Nesta terça-feira (4/2), todas as pessoas que se inscreveram para o Empregotech receberam e-mails validando seu cadastramento. Até a próxima sexta-feira (7/4), elas terão acesso à plataforma do programa, onde preencherão seus currículos e terão disponível o link para abrir os conteúdos de lógica e programação básica que serão exigidos em avaliações que serão feitas, de 17 a 19 de fevereiro, na modalidade EAD (Ensino à Distância).

A abertura do curso deverá reunir todos os inscritos, na Ópera de Arame, no próximo dia 16, para palestras das empresas parceiras.

Quem obtiver nota a partir de 7, será convocado para as aulas de programação, que acontecerão nas Ruas da Cidadania, a partir da segunda quinzena de março. Antes, os selecionados participarão também do programa Mobiliza, oferecido pela FAS para o desenvolvimento de habilidades e competências.

Comentários

© 2018 Barulho Curitiba