Encontro em Curitiba desvenda o mundo das PANCs, as plantas comestíveis desconhecidas

- Atualizado às 21:54
Por - Redação Barulho Curitiba
(Foto: Antonio Araújo/MAPA)

As Plantas Alimentícias Não Convencionais (PANCs) vem ganhando destaque em restaurantes, programas de TV e algumas já começam a aparecer em supermercados. Muitas dessas espécies mais conhecidas, como a ora-pro-nóbis e a capuchinha, começaram inclusive a despertar áreas de cultivo especiais para atender à crescente demanda. E mesmo com todo essa audiência, a nossa alimentação segue ainda restrita à aproximadamente 25 espécies, em um universo estimado de até 75.000 plantas alimentícias.

A segunda edição do Ciclo PANC acontece entre os dias 20 e 21 de junho de 2019, em três localidades de Curitiba e Região Metropolitana, destacando as espécies não convencionais deste grande universo botânico, com enfoque aos cultivos de inverno. Segundo os organizadores do evento, a programação foi planejada para tratar de quatro grandes áreas: culinária, nutrição, produção e medicinais. “Começamos nosso Ciclo com a apresentação de grande quantidade de espécies, provenientes de produtores, matas preservadas e também da cidade, aspectos nutricionais e usos culinários. Um dos destaques é a presença desta plantas no Terraço Verde, local do primeiro dia na região central de Curitiba. No segundo dia, vamos explorar o manejo tanto para produção rural quanto para composição com hortas e jardins urbanos, um modelo conhecido como paisagismo produtivo. No último dia, nos concentramos nas práticas terapêuticas destas plantas, para o corpo e para o ambiente, seja interno ou externo”, destaca o coordenador técnico do Ciclo PANC, o engenheiro agrônomo Marcelo Silvério.

Cultura Alimentar

Toda refeição é um ato cultural, pois é carregado de memória, saberes, tradições, sentimentos, trabalho e escolhas. Por isso, que a alimentação pode dizer muito sobre uma pessoa, contar sobre seus costumes e relacionamento com o mundo. Se em muitos lugares a comida vem direto da horta e da floresta, nas médias e grandes cidades o quê se tem é a mesmice alimentar dos supermercados. A homogenização da alimentação moderna, é causa de muitos dos problemas ambientais e de saúde, e buscar conhecer o alimento, sua produção e poder escolher entre os que trazem benefícios para o planeta e para si mesmo é um dos objetivos do Ciclo PANC, inserido-se assim no contexto da agroecologia.

A nutrição e a culinária são apresentadas na abertura do evento. A nutricionista Daniele Dominoni, especializada em nutrição funcional e uma das painelistas do evento, destaca a importância da ampliação desse novo conhecimento: “A nutrição funcional vem se destacando por cuidar da saúde das pessoas e do planeta, e as PANC utilizadas pelos nossos ancestrais beneficiam muito nossa saúde, muitas delas com propriedades nutricionais únicas, que auxiliam em tratamento e prevenção. Vamos falar destas relações novas entre alimentos ricos em nutrientes e que ajudam na nossa relação com a natureza”.

A chef de cozinha Bruna Pereira especializada em culinária vegana e restritiva, que há mais de um ano vem introduzindo PANC no cardápio de seu restaurante e a culinarista vegetal Cláudia Nunes, entusiasta da cozinha saudável, que desenvolve pratos que beneficiam a saúde e o bem-estar utilizando essas plantas não convencionais, são destaque no encerramento do dia 20. A mediação é de Arthur Ferreira, produtor cultural e cozinheiro de culinária criativa sintrópica, que vem assinando cardápios de eventos de agroecologia e PANC.

 

Agroecologia

Curitiba é pioneira no país com a primeira feira de orgânicos do Brasil assim como o primeiro setor de orgânicos em um mercado municipal. O consumidor curitibano é exigente e esse mercado possibilitou a existência de uma cadeia produtiva em propriedades familiares, sem uso de defensivos químicos. Neste contexto, surgiu recentemente uma lei municipal sobre agricultura urbana em espaços públicos e inúmeros eventos relacionados a agroecologia urbana acontecem anualmente na capital paranaense.

O paisagismo produtivo, um sistema inovador de policultivo, amplia o conceito de hortas urbanas com a soma de conhecimentos de origens variadas, desde a biodinâmica até o paisagismo tradicional. Na segunda tarde do evento, duas atividades trazem o conceito de produção agroecológica através deste novo formato de paisagismo. As arquitetas Beatriz Boell e Ivana Cassuli apresentam conceitos de projetos que incluem as PANC com composição ornamental em busca de cenários que além de estéticos, produzam alimentos. “Os paradigmas do paisagismo vem se transformando, inspirados nas hortas urbanas e na conscientização ecológica, na busca por uma alimentação saudável e orgânica. Também entra em discussão, a possibilidade de produzir nossos próprios alimentos, e de irmos além dos padrões de beleza por si só. A medida que a preservação ambiental e as construções sustentáveis avançam em direção aos centros urbanos, a preocupação estética continua sendo um dos pilares, mas deixou de ser o mais importante. Aspectos como preservação, diversidade, resgate do bioma, produção de alimentos em policultivo, integração com a fauna, em especial com as abelhas nativas, além dos aspectos bioclimáticos do local são de igual importância para a composição dos cenários, cada vez mais integrados e saudáveis” enfoca Ivana.

O exercício prático neste mesmo dia é a oficina com Ademar Brasileiro, mais conhecido como o famoso Mago Jardineiro, que vai facilitar a produção de policultivo com as PANC e cada participante levará para casa uma pequena amostra.

As aplicações medicinais originárias de conhecimentos de povos tradicionais da região são destaque da última tarde do evento. A engenheira agrônoma, mestre em extensão rural, doutoranda em agroecologia e terapeuta natural, Cristiane Coradin, apresenta a roda de conversa PANC farmácia viva. “Vamos trocar conhecimentos sobre PANC e usos na saúde natural do corpo humano e de ambientes (moradias e agroecossistemas). Para isso identificaremos propriedades trofoterápicas, fitoterápicas e para harmonização de ambientes, finalizando com uma prática sensitiva. Nesse diálogo conversaremos como casas, plantas e agroecossistemas podem espelhar nossos estados de saúde e adoecimento, bem como nos auxiliar na construção de estilos de vida, de paisagismo e de agricultura funcionais e saudáveis. Os destaques são o dente de leão, ora-pro-nóbis, aroeira, buva, picão preto, mastruço e lírio da paz”, conclui Cristiane.

A segunda edição do Ciclo PANC é uma realização do Instituto Ambiente em Movimento através da iniciativa Agroecologia em Movimento, e conta com o apoio da Rádio Cultura Curitiba 930AM, Terraço Verde, Begônia Arquitetura, La Foglia Café, Agro Botânica Comercial, Terra Graciosa Orgânicos, Coletivo Colo da Terra, Coletivo Mão na Terra e Vilo Sabor e Arte Culinária.

Facebook Ciclo PANC 2ª ed

Programação completa:

Dia 20 de junho de 2019

14h – Abertura com Instituto Ambiente em Movimento – as ações educacionais para 2019.

14h20 - PANC de Inverno: conhecendo as principais espécies do bioma da região de Curitiba. Com Marcelo Silvério.

16h – Coffe break agroecológico colaborativo.

16h30 - A Nutrição Funcional e as PANC de Inverno. Com Daniele Dominoni.

18h - Perspectivas Culinárias: Roda de Conversa com a chef Bruna Pereira (Veg&Tal) e culinarista vegetal Cláudia Nunes (Vilo Arte e Sabor). Mediação com Arthur Ferreira.

Local: Terraço Verde – Rua Itupava, 1299, Alto da XV, Curitiba.

Contribuição R$ 70,00 – Vagas Limitadas

21 de junho de 2019

14h – Painel: O paisagismo produtivo na transição agroecológica – uma introdução aos jardins com PANC. Com as arquitetas Beatriz Boell e Ivana Cassuli.

14h 45 – Oficina prática: o cultivo das PANC nos jardins de transição agroecológica. Com Mago Jardineiro e Marcelo Silvério.

17h00 - Coffe break agroecológico colaborativo.

Local: Agro Botânica Comercial, Rua Vagner Luis Boscardin, Planta Laranjeiras, Piraquara.

Contribuição R$ 70,00 – Vagas Limitadas

22 de junho de 2019

14h30 – PANC Farmácia Viva - da casa corporal à casa de habitat. Com Cristiane Coradin.

17h – Coffe Break agroecológico colaborativo.

Local: Sítio Terra Graciosa, Avenida Dom Pedro II (Estrada da Graciosa), 7125, Quatro Barras.

Contribuição R$ 70,00 – Vagas Limitadas

 

Desconto Pacote PANC: todas as atividades por R$ 180,00.

Inscrições pelo e-mail: ciclopanc@gmail.com ou pelo WhatsApp 41 9.8803 5490 com Arthur Ferreira

 

Comentários

© 2018 Barulho Curitiba