Dica de Livro: Como Dizer Adeus em Robô

- Atualizado às 08:36
Por - Maitê Ritz

Autor:  Natalie Standiford
Editora: Galera Record
Páginas: 344
Ano de Lançamento: 2013

 

Sinopse: Com um toque melancólico, o livro conta a singular ligação entre Bea e Jonah. Eles ajudam um ao outro. E magoam um ao outro. Se rejeitam e se aproximam. Não é romance exatamente, mas é definitivamente amor. E significa mais para eles do que qualquer um dos dois consegue compreender… Uma amizade que vem de conversas comprometidas com a verdade, segredos partilhados, jogadas ousadas e telefonemas furtivos para o mesmo programa noturno de rádio, fértil em teorias de conspiração. Para todos que algum dia entraram no maravilhoso, traiçoeiro, ardente e significativo mundo de uma amizade verdadeira, do amor visceral, Como dizer adeus em robô vai ressoar profunda e duradouramente.
Crítica: Como Dizer Adeus Em Robô me deu uma das minhas frases favoritas na minha vida inteira. ‘’ Cabelereiros Islandeses são as pessoas mais felizes do mundo. Nós não somos Cabelereiros Islandeses. Mas juntos, podemos encontras algo próximo a felicidade.’’ Essa frase se encontra na contracapa do livro, já nos dando a ideia do que pode ser essa história, sendo também o grande motivo pelo qual eu cheguei a comprar este livro.

 

Como Dizer Adeus Em Robô é uma experiência sobre a experiência. Ao ler, você com certeza vai se lembrar de todas aquelas amizades e relacionamentos que foram extremamente marcantes, intensos e bons, mas que por algum motivo não se desenrolaram da maneira que você esperava. Ao abordar temas como depressão, amizade, socialização, personalidade e ainda contar com uma longa e incrível lista de referências culturais, esse livro é definitivamente uma peça importante na jornada de qualquer jovem que esteja descobrindo seu papel no mundo, mas principalmente, seu papel na sua teia de relações.
Essa foi uma das principais obras que me ajudou a entender que nem todas as pessoas do mundo vão gostar de mim e que eu não vou ser feliz pra sempre. Porque a felicidade não é absoluta, e muito menos constante. E tá tudo bem.

 

Essa é uma dica de livro especial para todo mundo, mas em especial, para aqueles que ainda não acharam seu lugar no seu próprio mundo, aqueles que estão confusos e para aqueles que possuem amizades bonitas. Se divirtam.
Quem sabe no final dessa leitura, não nos tornemos cabeleireiros islandeses? 
 

Comentários

© 2018 Barulho Curitiba