Confira um bate-papo com o músico Lucas Seman, uma das novas promessas da cena curitibana

- Atualizado às 17:30
Por - Henrique Romanine
O músico curitibano Lucas Seman.
O músico curitibano Lucas Seman. (Foto: Double D.)

A cena cultural de Curitiba sempre foi efervescente, e muitos (grandes) nomes saíram de nossa capital para alçar vôos maiores em suas carreiras, nos mercados mais competitivos, como São Paulo e Rio de Janeiro. Mas isso, de nenhuma forma, significa que o panorama das artes curitibanas está em stand by.

Existe uma galera talentosa, com muita garra e dedicação, que faz aquele trabalho de "formiguinha", aproveitando todas as brechas possíveis para divulgar o seu repertório autoral. E, em tempos de redes sociais, com tantas opções disponíveis para descobrir, vale a pena olharmos com mais atenção para o que é produzido dentro do nosso próprio círculo.

Pensando nisso, trazemos hoje, aqui no Barulho, um nome que vem se destacando através de sua obra. Com vocês, um bate-papo com o músico curitibano Lucas Seman, artista com grande influência do rock alternativo, pop e mpb. Confira a entrevista!

BARULHO CURITIBA - Como surgiu o seu interesse por música, a ponto de você escolher a área como profissão?

LUCAS - Meu pai e minha vó cantam, e sempre teve música em casa! Eu gostava de música desde que me conheço por gente, mas começou a ficar sério quando meu pai me deu um violão, quando eu tinha 14 anos. Depois disso, os outros hobbies que eu tinha – desenhar e jogar videogames – pareciam pequenos. A partir dali, foi natural eu investir cada vez mais tempo em música.

BARULHO - Quais foram as suas principais experiências e conquistas desde o início da carreira?

LUCAS - Eu considero que a minha carreira começou de verdade com o lançamento do meu 1º EP, o “Criando Pontes”, em 2016. Desde então, minha maior experiência tem sido o amadurecimento como compositor. No “Criando Pontes”, apenas metade das letras eram minhas - a outra metade era de amigos que escreviam poesia. Nos outros 2 EPs seguintes, “Olhares” e “O Peregrino”, a autoria das músicas já era 100% minha. Fui ganhando confiança com o tempo. Quanto a conquistas, lembro que há alguns meses um adolescente me parou na rua pra elogiar meu trabalho. Foi a primeira e última vez que isso aconteceu (risos). Fiquei sem graça, mas no bom sentido!

BARULHO - Em sua página no Facebook, você afirma que compor nunca foi algo natural ou intuitivo, mas que há um esforço seu para que as composições venham a surgir. Você baseia as suas letras mais em experiências pessoais, ou em observações do cotidiano?

LUCAS - Minhas letras são sempre pessoais! Minha maior dificuldade é não ficar martelando um mesmo tema em várias músicas diferentes, que pode soar repetitivo. Por exemplo, muitas das minhas músicas acabam falando de tristeza, depressão e afins, e tudo isso sob um viés mais pessimista. Um desafio que eu criei para mim mesmo agora é tentar escrever músicas mais otimistas.

BARULHO - Chris Cornell é um grande ídolo, e influência para o seu trabalho. Fale um pouco desse e de outros artistas que norteiam o seu trabalho.

LUCAS - Bom, o meu som é pop-rock com uns toques de mpb aqui e ali, mas o fato é que a minha escola principal é rock pesado e metal. Eu aprendi a tocar guitarra e cantar emulando bandas como Audioslave, Bad Company, Led Zeppelin e etc. Por isso, embora o som que eu me propus a fazer como Lucas Seman seja mais leve, é inevitável que algumas escolhas de melodias e solos remetam a bandas como essas. Acho que essa tem sido a minha principal característica: um cara do rock querendo ampliar os horizontes musicais.

BARULHO - Recentemente, você lançou o EP "Peregrino", e está prestes a lançar um projeto de metal melódico, intitulado "Staying Power". O que você pode adiantar em relação a essas novidades, e sobre outros projetos em andamento?

LUCAS - Então, “O Peregrino” para mim é uma continuação do EP anterior, “Olhares”. Acho os dois parecidos, pois as letras são todas as minhas, e algumas das músicas de ambos os EPs foram compostas meio que na mesma época. Fiz dois videoclipes para “O Peregrino” recentemente, os quais vocês podem achar no meu canal do Youtube. Quanto ao “Staying Power”, este projeto é basicamente eu realizando o meu sonho desde que eu tinha 15 anos de idade, que era gravar uma música autoral de metal melódico num estúdio profissional. Não tenho maiores pretensões com o “Staying Power”. Pretendo inclusive resumir o trabalho como Lucas Seman logo em seguida.
Tenho alguns projetos futuros: um mini-show, a ser realizado em outubro (sem data definida, darei mais detalhes nas minhas redes sociais) e uma música nova que pretendo gravar e lançar até o fim do ano. Quero que seja um dueto com outro artista local. Por enquanto, é só isso que irei dizer (risos). Muito obrigado pelo espaço!

Lucas Seman no Spotify

Comentários

© 2018 Barulho Curitiba