Colheita de uva é alternativa charmosa na Grande Curitiba. Veja mais fotos e o vídeo

- Atualizado às 15:17
Por - Josianne Ritz

Em tempos de pandemia e a necessidade distanciamento social, muitos curitibanos têm procurado outras formas de turismo, muitas vezes mais rápido e mais próximos. Cachoeiras, espaços verdes em chácaras e até colheita de uvas. A Vinícola Legado, em Campo Largo, na Região Metropolitana de Curitiba, já apostava nesta forma de turismo antes do coronavírus chegar, mas viu a procura aumentar durante a pandemia. “Sentimos um aumento de procura e também da curiosidade e abertura para os produtos e opções locais”, diz Heloíse Merolli, proprietária da Vinícola Legado. “Cada vez mais pesquisas vem dando importância ao quesito ventilação como fator fundamental para prevenção da Covid-19, por isso o turismo ao ar livre em ambientes com restrição e controle de acesso é uma alternativa de baixo risco de lazer, contribuindo para a saúde emocional dos participantes”.

Ela conta que inúmeros cuidados adicionais foram incorporados à rotina da vinícola, como a área de alimentação e preparo dos alimentos, que seguem o protocolo desenvolvido pela Abrasel para o setor, tudo é embalado individualmente. Também são utilizados materiais de uso não retornável, como as taças de acrílico que ficam como recordação para o cliente e a sanitização dos sanitários. “Foi intensificada e é indispensável o uso de máscara menos nos momentos de alimentação e degustação, além do distanciamento entre grupos familiares, que em atividades como degustação e visita são de 1,5 m, mas durante o piquenique chegam a ser de 3 a 4 metros. Além disso passamos a atender apenas com reservas, com controle de acesso na entrada da propriedade, o que é fundamental para segurança de todos”, explica Heloíse.

No último sábado começaram as colheitas. O primeiro evento chamado de “Amanhecer no Vinhedo”, que antes acontecia em um dia, agora acontece em quatro dias para garantir o distanciamento. O passeio se inicia na recepção da vinícola para as boas vindas, explicações sobre o processo e para a entrega dos kits com materiais para ajudar na colheita das uvas bordô, base dos sucos de uva Sapienza e o café da manhã para quem escolher a opção com alimentação. Na sequência, os participantes seguem até o vinhedo, onde estarão montadas as áreas de piquenique por família para a colher os frutos e desfrutar da natureza A atividade tem duração de 3 horas com valores diferenciados pelo tipo de experiência e idade do participante. Essa opção acontece ainda nos dias 16 e 17 de janeiro. Nos finais de semana seguintes até o dia 14 de fevereiro, os participantes terão a experiência “Colheita com Espumante”, que prevê a colheita as uvas viníferas que formam os vinhos e espumantes finos da Vinícola Legado. Ambos pacotes possuem opcional de café da manhã. Crianças de até 7 anos não pagam. Os valores vão de R$ 55 a R$ 110.

Heloíse lembra que a vinícola também oferece visitas guiadas, aos sábados e domingos às 15h. “Percorremos os vinhedos com uma carreta aberta, puxada por trator, fazemos uma pausa no vinhedo para falar sobre o cultivo das uvas e também na cantina de elaboração para explanar a elaboração de vinhos e espumantes finalizando com a degustação de 3 produtos da vinícola”, explica a empresária. Há também as opções de cesta de piquenique à tarde, das 13h às 17h30, em bosques com mesas e bancos de pallets, futons e redes.

A experiência da colheita já começa na compra dos ingressos. Pelo grande número de dias e de pacotes disponíveis, a Legado criou um site especial com todas as informações sobre a experiência, valores dos ingressos e dias disponíveis. Pelo https://colheitalegado.online/ o participante pode saber tudo sobre o evento e realizar sua compra, simples e direto, consultando ali mesmo as principais dúvidas. As vendas já estão abertas e vale lembrar que nos dois anos anteriores os ingressos se esgotaram rapidamente, então corra para garantir o seu.

Sobre a vinícola

A Vinícola Legado surgiu a partir de um primeiro vinhedo de Cabernet Sauvignon plantado em 1998. Se constituiu como empresa em 2006, quando os novos vinhedos de Cabernet Sauvignon, Merlot Pinto Noir, Fiano e Viognier, começaram a ser implantados. O processo foi até o ano de 2010.

A primeira safra a ser elaborada foi em 2008 dos espumantes Flair Brut rosé e branco. Hoje, a vinícola produz apenas vinhos finos, ou seja, produzidos de uvas viniferas: espumantes Brut e Nature pelo método champenoise, vinhos tintos, brancos e rosés, licorosos, grappa , cerveja artesanal e suco integral. Todos em edições de pequeno volume e de uvas 100% locais.

Serviço
Momento da Colheita 2021 | Vinícola Legado
Quando: Até 14 de fevereiro
Ingressos e informações: https://colheitalegado.online/
Whatsapp: 41 991999744

Pesquisa revela interesse do paranaense em viajar por perto em 2021

Diretora-técnica da Paraná Turismo, Isabella Tioqueta destacou que duas pesquisas feitas pela autarquia embasaram o planejamento. Foram ouvidos no decorrer do ano passado empresários do setor, turistas e representantes dos municípios. Segundo ela, o resultado mostrou que 72% dos pesquisados pretendem viajar em 2021, sendo que 94% deles desejam fazer viagens pessoais. Neste caso, o automóvel próprio para se deslocar em família é o grande aliado.

“Pensamos que os grandes municípios podem abraçar as cidades menores que estão em volta. Que os moradores de Maringá, por exemplo, possam conhecer as trilhas e parques que têm nos arredores. É a grande oportunidade de conhecer o próprio Estado, sempre com segurança”, disse a diretora.


Viagens de curta distância são aposta do turismo no Paraná
Viagens de curta distância, feitas de carro e dentro do grupo familiar, com foco na exploração do turismo ao ar livre e das belezas naturais. Esse é o ponto central da terceira fase da campanha de retomada da atividade no Paraná estruturada pelo Governo do Estado, que terá início em março com duração até agosto.

A intenção é incentivar o turista a viajar respeitando todas as normas sanitárias previstas no protocolo de segurança da Covid-19. Ou seja, incrementar um setor importante da economia para a geração de emprego e renda mesmo em meio à pandemia do novo coronavírus. O planejamento elaborado pela Secretaria do Desenvolvimento Sustentável e do Turismo marca a retomada da campanha logo após o fim da temporada de verão. O investimento será de R$ 512 mil, com apoio do Governo Federal. O projeto prevê divulgação em diferentes mídias de comunicação e sociais.

“A pandemia do novo coronavírus atrapalhou uma atividade que vinha em franca expansão no Estado. O Paraná tem um potencial muito grande, belezas naturais que podem ser exploradas com segurança, dentro do núcleo familiar, respeitando o protocolo sanitário da doença”, afirmou o governador Carlos Massa Ratinho Junior. “É uma adaptação, uma alternativa pensada para que o setor possa se reinventar até que tudo possa voltar ao normal. Explorar o turismo perto de onde se mora”, acrescentou.

O projeto é uma iniciativa da Paraná Turismo e Invest Paraná, em parceria com instituições representativas dos setores público e privado que fazem parte do Conselho Paranaense de Turismo (Cepatur). Conta também com a colaboração das Instâncias de Governança Regionais (IGR’s) das 14 regiões turísticas do Paraná.

Foram mapeados 12 mercados emissores (de onde partem os turistas) dentro do Estado: Curitiba, Ponta Grossa, Londrina, Maringá, Umuarama, Campo Mourão, Cascavel, Toledo, Foz do Iguaçu, Pato Branco, Francisco Beltrão e Guarapuava.

A definição dos polos levou em consideração a densidade populacional e da capacidade de renda. Porém, explicou o secretário de Estado do Desenvolvimento Sustentável e do Turismo, Márcio Nunes, os 217 municípios paranaenses que pertencem ao Mapa do Turismo serão beneficiados pelo programa de retomada.

Comentários

© 2018 Barulho Curitiba