Artistas da Trupe Ave Lola de Teatro trazem suas inquietudes sobre a velhice

Por - Da Redação Bem Paraná com assessoria
(Foto: Larissa de Lima)

Uma trupe efervescente, com casa cheia e movimentada. A produção a todo vapor, oficinas acontecendo, um espetáculo para estrear, uma mostra teatral para realizar, entre tantos outros projetos. De repente, tudo para, tudo entra em suspensão. Uma pandemia se alastra e tranca as portas. Como única alternativa responsável, a trupe se recolhe. E o que fazer? Podcast, encontros virtuais e muitas outras alternativas remotas que as pessoas estão adaptadas. E em meio a tudo isso, um olhar para dentro, não que isso não tivesse vez antes, mas agora era um olhar guiado pelo silêncio determinado.

César e Helena, criaturas do teatro tão acostumadas a contracenarem juntos, agora fazem, cada uma, o seu solo e, sem combinar, coincidem sobre o envelhecer. César Matheus, ator da Ave Lola, em seu projeto “Ensaios - Solidão Marica”, numa investigação do corpo e da poesia da “bicha” latino-americana, durante três meses aprofundou-se nesse universo, por meio de pesquisas de literatura ficcional e técnica, referências videográficas e compartilhamento de experiências com outres artistas e pessoas, chegando a um vídeo performance-teatral onde o ator experimenta uma drag queen que confinada envelhece sozinha confundindo realidade e presente com memórias caóticas.

“Realizar este projeto em meio a uma pandemia e em uma situação tão delicada pela qual estamos passando no nosso país ao lado de pessoas tão comprometidas com a arte é um verdadeiro presente”, explica o ator César Matheus. A obra criada para o formato online conta com direção de Ana Rosa Tezza e terá uma estreia díptica nos dias 29 e 30 de abril, no canal de YouTube da Trupe Ave Lola.

Helena Tezza, uma atriz com profundo interesse pela manipulação de marionete, dá continuidade a sua pesquisa em um solo, manipulando Dona Lucrécia, uma velha temperamental que ganha vida no corpo de uma boneca e se depara com as perdas e a solidão causadas pelo tempo e materializadas em sua imagem diante do espelho. O estudo é uma proposta feita por Helena Tezza com a direção de Ana Rosa Genari Tezza, assistência de direção de Eduardo Giacomini, e orientação de manipulação de bonecos de Eduardo Santos.

“Esse processo foi muito desafiador e na mesma medida extremamente potente e instigante para a minha pesquisa como atriz. A partir da investigação com a marionete, vivenciei uma nova experiência, um novo jeito de fazer teatro: é o teatro onde o boneco conta a história. Transpor a emoção e o sentimento para o boneco é muito desafiador. Este foi um processo cheio de emoção, experiência, aprendizados, tentativas, erros e com muitas emoções envolvidas”, explica a atriz Helena Tezza.

A pesquisa que resultou no experimento cênico “Sangue que corre em veia de espuma" será transmitida online, de 22 a 25 de abril, às 20h. Todas as transmissões terão tradução em libras e serão seguidas de bate-papo com a equipe do projeto.

Os projetos “Ensaios - Solidão Marica” e “Sangue que corre em veia de espuma" foram realizados com recursos do Programa de Apoio e Incentivo à Cultura Fundação Cultural de Curitiba, da Prefeitura Municipal de Curitiba e do Ministério do Turismo. Todas as informações das obras são de responsabilidade exclusiva de seus autores.

Serviço

Transmissão online do espetáculo “Sangue que corre em veia de espuma” seguida de bate-papo com a equipe

Quando? 22 a 25 de abril, às 20h

Onde? YouTube da Ave Lola: https://www.youtube.com/user/avelolacultural

Comentários

© 2018 Barulho Curitiba