Após cancelamento de evento sobre diversidade, Grupo Dignidade propõe audiência com direção da PUC

- Atualizado às 12:33
Por - Redação Barulho Curitiba
(Foto: reprodução)

O Grupo Dignidade encaminhou ofício à direção da Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUCPR) propondo uma audiência para discutir questões de diversidade e políticas relativas ao público  LGBTI+, em resposta à decisão da instituição de ensino que negou um pedido de  cessão de um auditório, onde seria realizado o evento de lançamento Coletivo Estudantil Diversidade (CED). Fundado em meados de maio deste ano, o coletivo tem como objetivo promover a conscientização, debates e pesquisas em relação ao público LGBTI+. 

Segundo os estudantes que participam do movimento, a negativa teria partido, primeiramente, da coordenação do Curso de Direito.

"Pela imprensa local, tivemos conhecimento que o referido evento de lançamento teria sido cancelado. E neste sentido, compreendendo que as questões que envolvem o corpo discente podem ser resolvidas no âmbito interno, na melhor forma de um bom diálogo, nos colocamos frente a esta questão para colaborar", afirma o Grupo Dignidade no documento encaminhado à reitoria da PUC.

No texto, a ONG também lembra que o Papa Francisco, defendeu no último dia 21 de junho, um chamado para a “teologia do acolhimento e a desenvolver um diálogo sincero com instituições sociais e civis, com centros universitários e de pesquisa, com os líderes religiosos e com todas as mulheres e homens de boa vontade, para a construção na paz de uma sociedade inclusiva e fraterna e também para a custódia da criação”.

"Acreditamos que o debate que versa sobre a diversidade sexual e de gênero, se coloca hoje na sociedade como um tema central, e temos muito a contribuir neste diálogo", defende ainda o Dignidade, lembrando que participou das ações julgadas pelo Supremo Tribunal Federa recentemente que reafirmou "dignidade da pessoa humana como um dos fundamentos da República brasileira, objetivando a promoção do bem de todos, sem preconceitos de origem, raça, sexo, cor, idade e quaisquer outras formas de discriminação".

"Notadamente, reconhecemos inúmeras práticas positivas da PUCPR em defesa da construção de uma sociedade livre, justa e solidária. Entre inúmeras iniciativas, citamos o Núcleo de  Direitos Humanos da PUCPR, que é integrado por professores, pesquisadores, estudantes, funcionários da PUCPR e Grupo Marista, militantes e demais interessados no tema direitos humanos", afirma a ONG.

"Em sendo assim, o Grupo Dignidade, por intermédio de sua Diretoria Executiva e de sua coordenação jurídica, se coloca à disposição desta Reitoria e demais envolvidos nesta questão, inclusive para marcação de audiência para tratarmos dos trabalhos que podem ser  desenvolvidos pelo referido do Coletivo Estudantil Diversidade", conclui a carta. 

Comentários

© 2018 Barulho Curitiba