Alunas do Colégio Estadual do Paraná marcam manifestação contra assédio. Saiba os motivos

- Atualizado às 15:49
Por - Redação Barulho Curitiba
(Foto: Hedelson Alves/AEN)

Estudantes e ex-alunas do Colégio Estadual do Paraná (CEP) marcaram um protesto contra assédios sexuais dentro das salas de aulas da instituição que, segundo elas, acontecem há anos. A manifestação será nesta quinta (13), às 18 horas, na frente do Colégio Estadual do Paraná (CEP).

O estopim para a manifestação foi a prisão de um professor de 57 anos  com imagens de abuso sexual na Operação Predadores na Rede II no último dia 5 de junho. Criada há quatro dias, uma página no Instagram  ‘CEP sem Assédio’ já tem mais de 700 curtidas e reúne relatos de alunas que sofreram assédio na instituição no passado e agora. 

"Um certo professor de química já deixou muitas meninas desconfortáveis, inclusive a mim. Chegava com muita intimidade pra cima de mim, me alisava, beijava meu rosto perto da boca (…) me olhava de maneira desconfortável e já me chamou para ir na casa dele”, diz um dos depoimentos, todos anônimos. 

Em nota, a  Secretaria de Estado da Educação e do Esporte (SEED) informou que em relação ao professor detido na operação Predadores da Rede II, da Polícia Civil do Paraná, acompanha as investigações e que, inicialmente, não há evidências de que o suposto crime tenha sido cometido pelo docente na função de servidor, tampouco no ambiente escolar. A SEED esclarece ainda que até a prisão do professor não havia registro de reclamação ou denúncia na Ouvidoria da pasta contra ele. Informações sobre as investigações devem ser solicitadas à Polícia Civil.

A orientação da SEED é de que qualquer estudante que tenha sofrido algum tipo de assédio no âmbito das instituições de ensino converse com sua família a respeito e procure a direção da escola onde estuda ou o Núcleo Regional de Educação correspondente a fim de registrar formalmente a situação. A Ouvidoria da SEED também pode ser acionada pelo site www.educacao.pr.gov.br/ouvidoria ou pelo telefone 0800-41-9192.

A secretaria ainda nformou que o ato marcado para esta quinta-feira (13) em frente ao CEP, organizado por uma ex-aluna da instituição, não vai interferir no cronograma de atividades do colégio.

Em nota enviada à redação, a SEED orienta os alunos sobre como procederem em casos de assédio nas instituições de ensino. Veja a nota na íntegra: 

A SEED orienta que qualquer estudante que tenha sofrido algum tipo de assédio no âmbito das instituições de ensino converse com sua família a respeito e procure a direção da escola onde estuda ou o Núcleo Regional de Educação correspondente a fim de registrar formalmente a situação e para que os fatos sejam apurados. A Ouvidoria da SEED também pode ser acionada pelo site www.educacao.pr.gov.br/ouvidoria ou pelo telefone 0800-41-9192.

A pasta reforça que investigações criminais cabem às autoridades. Boletins de ocorrência de violência sexual podem ser registrados em qualquer posto policial. Ministério Público e Conselho Tutelar também podem ser acionados.

Quanto ao CEP, a SEED apura os relatos. O ato marcado para esta quinta-feira (13) em frente à escola, organizado por uma ex-aluna da instituição, não vai interferir no cronograma de atividades do colégio.

Em relação ao professor detido no âmbito da operação Predadores da Rede II, da Polícia Civil do Paraná, no dia 05 de junho, a Secretaria de Estado da Educação e do Esporte (SEED) informa que acompanha as investigações e que, inicialmente, não há evidências de que o suposto crime tenha sido cometido pelo docente na função de servidor, tampouco no ambiente escolar. A SEED esclarece ainda que até a prisão do professor não havia registro de reclamação ou denúncia na Ouvidoria da pasta contra ele.

A SEED confirma que o suspeito em questão era professor da rede, mas não divulga maiores informações sobre o caso a fim de não expor a comunidade escolar e o investigado, vez que se trata de uma investigação ainda em curso tanto pela Polícia Civil quanto pela SEED, que instaurou procedimento administrativo a respeito do caso.

Comentários

© 2018 Barulho Curitiba